Burra Preta, uma personagem famosa da Praça do Ferreira

Numa conversa com um historiador, amigo de datas imemoriais, fazíamos um resgate da Praça do Ferreira – famosa por debates político-culturais diuturnos e personagens singulares.

Falava que sempre encontro ilustres desconhecidos que são caricatos por excelência, desde o “esperto” vendedor de óculos do calçadão da General Sampaio (que chamo de Coringa) até o morador de rua, alto e crioulo, perambulador da Duque de Caxias nas proximidades do Banco do Nordeste – com um visual meio hippie, meio cavernoso.

Meu amigo, que já pesquisou dos índios Tapeba aos movimentos estudantis da década de 80, contou a história de Burra Preta, até então uma total desconhecida para mim:

Era um negão de mais de um metro e oitenta, forte e valente que só uma porra. Era gay, ficava puto e metia a mão em quem frescava com ele. Lembro-me de tê-lo visto umas três vezes na vida, todas na Praça do Ferreira. Morria de medo dele.

Procurei em alguns registros e documentações sobre Burra Preta, pouco encontrei de relevante. O relato informal do historiador pareceu-me mais fiel às histórias que a Praça do Ferreira vivencia há anos. Burra Preta seria a Madame Satã cearense?


Esse post foi escrito em 7 e julho de 2006. Em 02 de junho de 2012 o Diário do Nordeste publicou um texto de Zenilo Almada que cita Burra Preta:

Era exótico e espalhafatoso e vadiava por nossa Cidade. Corpulento de cor azeitonada, telúrio (preto acinzentado), grande estatura, pesando aproximadamente mais de 120 (cento e vinte) quilos, quadris arredondados, cintura fina, rebolado feminino apressado, pouco falava, diziam ser pernambucano. Para outros, no entanto, era identificado como natural da Bahia.

Percorria a Praça do Ferreira, sem dar atenção aos gracejos por sobre ele lançavam. È como se as palavras ou os insultos se reduzissem a nada, pois, a rigor, ao que visava, antes de tudo, era a colheita de um sucesso diante do público. Apareceu em nossa Fortaleza, trabalhando em hotéis ou pensões familiares dos anos 50/60. Depois, entregou-se à ociosidade, passando a desfilar pelas ruas do centro nos começos e fins de expedientes nos horários mais movimentados. O que, evidentemente, provocava um certo movimento em termos das reações dos passantes, quer se dirigindo ao trabalho, ou mesmo deste retornando.

Zenilo Almada fala um pouco sobre “a peformance” de Burra Preta:

Os passeios de “Burra Preta” aconteciam durante as manhãs e a tarde depois das 17 horas. Percorria defronte o Cine São Luis, quando a vaia se expandia até a garapeira da Leão do Sul. Caminhava a passos largos, na Praça do Ferreira, sem dar ou travar conversações com as pessoas; quando muito, pedia cigarro ou “merenda”. Usava costumeiramente bermudão de tecido de “veludo”, alternados por cores em tonalidade preta, azul marinho ou “Bordeaux”, com suspensórios que seguravam a calça pelo cós, assim como uma espécie de bermudão. Era, por assim dizermos, uma fantasia fora de época.

O colaborador do jornal fala, ainda, da reação dos transeuntes:

Quando adentrava a Praça do Ferreira, surgia inevitavelmente outra vaia prolongada com galhofadas em tom compassado. A multidão, então, altercava em ritmo bem sonoro: Bur-ra Pre-ta!!! Bur-ra Pre-ta!!! Bur-ra Pre-ta!!! Bur-ra Pre-ta-ta-ta!!! As vozes iam, aos gritos, de um lado para outro. E, mesmo que as pessoas – em especial, os jovens rapazes – estribilhassem com estrondo _ Bur-ra Pre-ta!!!, a ele tal era absolutamente indiferente, não lhe causando, portanto, o menor atordoamento. Parece que, no íntimo, gozava o sucesso que fazia, via-se, portanto, ovacionado.

Sem dar a menor atenção ao que ouvia, colocava os dedos nas atacas das calças e dos suspensórios, balançando as ancas, freneticamente, andando serenamente por entre as árvores, passando, então, por entre os que se apinhavam em ruas ou praças. Riam quebrando a monotonia de quem se apressava para apanhar condução em direção às suas residências, tornando hilariante e pitoresco aquele logradouro por momentos agradáveis e prazerosos a todos quanto a essas cenas assistiam.

E você, já tinha ouvido falar de Burra Preta? =)

BurraPreta

Comentários estão fechados