Personagens populares de Fortaleza

Que o Ceará é a terra do sol e dos humoristas isso todo mundo sabe. Mas pouca gente conhece a história de personagens comuns que entraram pro “folclore” da capital não pela a arte de fazer sorrir, mas pelo modo de viver e de fazer presepadas

Zé Bedeu, o vulgo “guarda roupa” – era um maluco que andava com 5 a 6 roupas de uma só vez (só trocava a ordem) e perambulava pelo bairro Pan Americano.

Popular era o Zé Tatá, um homossexual que andava a cavalo pela periferia da Parangaba e tinha fama de valente.

Na praça do Ferreira reinava o Burra Preta, desfilando com o balanço exagerado de sua bunda desproporcional.

Ainda temos a Vassoura, que era o apelido de uma doida que perambulava pelo centro da cidade e ficava possessa ao gritar seu apelido.

Ainda temos Bode Ioiô, claro! Tem gente que fala de outros personagens: Barba Azul, Senadorzão, 90, Zé do Mangue, As Panteras, Nadir Ai-ai, Eliomar Dodói e Maria-sem-fundo, mas não conheci – nem ouvi falar.

Talvez porque não cheguei a frequentar o bar “Cabaré da Pirrita”, na Praia de Iracema, ou o forró do “Viva Maria”… mas se eu conhecesse os malandros do “jogo da pretinha” (pra pegar otário) nas ruas de acesso a Praça José de Alencar, ah – com certeza – eu saberia de mais gente folclórica.

Otacílio Colares contribuiu, através do poema “Descante à cidade amada”, quando apresentou mais tipos populares: Chagas dos Carneiros, Jararaca, Zé Levi, Cheira-Dedos, Mimosa, Zé Lapada, Cabeção e a Siri. Batista de Lima acrescentou, certa vez, mais gente: Canoa Doida, Manezinho do Bispo e Roberto Carlos. Aqui só tem figura… =)

Bode-Ioiô

Comentários estão fechados